Postagens populares

18 setembro, 2017

Continental cria o PNEU INTELIGENTE

Chamado de ContiAdapt, o novo projeto da empresa propõe que seja possível alterar ou melhorar a tração dos veículos de forma inteligente, sem que o motorista necessariamente tenha que ativar configurações específicas para cada situação. 
A ideia, aqui, é incluir pequenos compressores nas rodas para que o sistema desenvolvido pela Continental possa inflar ou esvaziar um pouco os pneus. O objetivo, com isso, é oferecer diferentes variações de superfície de contanto do automóvel com a pista. Desse modo, com o mesmo conjunto de pneus, é possível dirigir de forma mais eficiente (e segura) tanto naquele asfalto perfeito e seco quanto em uma rua coberta de neve.
Para complementar esse tipo de tecnologia, a fabricante também criou o ContiSense, um conjunto de sensores que acelera ainda mais a detecção dessa mudança de terreno ou condições climáticas. O segredo, aqui, é o uso de borracha condutiva para mandar informações “sentidas” pelo pneu para o computador de bordo do carro. Vale notar que, embora alguns desses recursos já existiam em produtos mais caros ou de nichos específicos, a ideia da Continental parece ser popularizar essas funcionalidades. 
TEC MUNDO 

01 agosto, 2017

Trocar Os Pneus. Como Se Faz Isso? Compro 2, 4? Da Mesma Marca?

a hora de trocar o pneu eu devo comprar quatro de uma vez ou apenas os dois da frente, ou dois de trás? Posso usar pneus de marcas diferentes, de medidas diferentes? Quem responde a essas e outras dúvidas ao consumidor é o gerente de assistência técnica da Continental Pneus no Brasil, Rafael Astolfi.
Mas antes que ele responda, a equipe da Transportepress.com quer fazer algumas considerações. A primeira grande questão, no caso, é saber quando se deve trocar os pneus de um carro. E a Continental responde: Pela legislação brasileira, os sulcos (desenhos que se encontram na banda de rodagem) não podem ter profundidade superior a 1,6 milímetros.                                 


Pneu Contipowercontact é equipamento original de modelos da Nissan e Renault

Mas o que são sulcos? Os sulcos do pneu são Resultado de imagem para 205 55 r17 contipoweros elementos-chave que garantem as boas respostas de dirigibilidade do seu carro. Complicou? Calma.
Quando um fabricante projeta um pneu, ele imagina uma arquitetura, para a banda de rodagem e os sulcos que comporão essa banda, de tal forma que esses desenhos ajudem a escoar a água – quando o carro trafega em ruas e pistas molhadas – ou com neve, por exemplo.
Esses canais também ajudam na melhor fixação/contato do pneu ao solo – ou do carro como um todo – e também são de grande importância em frenagens mais seguras, na manutenção da trajetória do veículo em curvas – leia-se estabilidade – e até mesmo na refrigeração do pneu como um todo. Sim, pneu esquenta em contato com o solo e precisa ser refrigerado.
Os sulcos são definidos de acordo com a aplicação que o pneu terá (e de acordo com a borracha sintética, polímeros e insumos que moldarão a sua forma e sua performance).
Um pneu de veículo off road – Jeep, por exemplo -, que vá rodar em estradas de terra, tem um sulco diferente – e, em geral, maior que o de um veículo de passeio que vá rodar na cidade. Um sulco de pneu de caminhão chega a ter 22 mm, por exemplo, porque rodará mais, levará mais carga, será mais exigido em sua vida útil que o pneu de passeio ou SUV, comparativamente falando.
Há, na construção dos sulcos, desenhos com gomos mais largos, para evitar a fixação de pedras, muito comum em pneus que trafegam em estradas de terra e lama. Imagine aqui um pneu de trator, grande, alto, largo, com sulcos bem distantes. Aqui os sulcos evitam pedras, lama e ajudam na tração do equipamento.
Leia mais sobre o tema e veja como a Michelin desenvolveu seu mais novo pneu de transportes no Brasil.
Em geral, as fabricantes de pneus adotam na confecção dos sulcos, algo denominado como TWI (Tread Wear Indicator ou indicador de desgaste do piso, em tradução simples). Trata-se de um filete ou saliência de borracha que fica na transversal da banda de rodagem e que serve para medir o desgaste do pneu.
Você pode não saber medir a profundidade do sulco, mas esse filete (ou saliência) de borracha ajuda a ter uma ideia visual da situação. Se o desgaste da banda de rodagem já estiver atingido a marca TWI é porque chegou a hora de trocar. Se já ‘comeu’ o TWI – e você nem enxerga mais esse indicador – é porque seus pneus estão pela hora da morte e, certamente, já dá para ver a carcaça aparecendo, o que é um crime – e, nesse caso, seu pneu pode, simplesmente, estourar.
E se não trocar?
Além de estar colocando em risco a sua vida e das pessoas que você transporta, está colocando em risco a vida das pessoas que estão ao seu redor. O pneu careca perde as características básicas de frenagem, estabilidade, pressão e aquaplanagem.
Se mesmo nessas condições você não tem consciência do risco ambulante em que se transformou – para si e para o outros – pode levar multa e cinco pontos na carteira, o que representa prejuízo ao bolso.
Agora voltemos ao gerente de assistência técnica da Continental Pneus no Brasil, Rafael Astolfi.
Posso utilizar pneus diferentes dos originais de fábrica?
Como regra geral é aconselhável utilizar pneus da mesma marca e modelo. Eles foram escolhidos como equipamento original pois auxiliam o veículo a entregar a sua melhor performance, diz o gerente.
Tradução: quando uma montadora faz um carro, muitas vezes ela integra equipes de engenharia de outras fábricas (de componentes) para que a performance desejada no papel se consolide como realidade. É muito comum uma montadora desenvolver o pneu do veículo dela em conjunto com uma empresa fabricante de pneus.
A Continental é uma delas. Exemplo recente é o fornecimento dos pneus ContiPowerContact e ContiCrossContact LX2 para o Nissan Kicks e para o Renault Captur.

Observação:
 isso vale mais para quem tem carro de passeio -, quatro pneus e um estepe -, mas é diferente para um caminhoneiro com bitrem de 34 pneus, sem contar os estepes. Aqui, a lógica é usar a mesma marca de pneu pelo menos em cada eixo, mesmo assim, o recomendado é usar sempre uma marca só – e as medidas especificadas pelo fabricante.Quando isso acontece, chamamos esse pneu de equipamento original. Ou seja, o pneu que veio com o seu carro zero km é o original que a fabricante especificou. Na hora da troca, quando o TWI acusou menos de 1,6 mm, se você deseja trocar a marca dos pneus originais por outra, faça-o, mas priorize trocar os quatro de uma vez e não dois da marca A e dois da marca B. Porém, a recomendação, também aqui presente da Continental, é que se mantenha o pneu de marca original.
Segundo Rafael Astolfi, “o uso de pneus idênticos em todas as posições garante o melhor controle e estabilidade. Vale lembrar ainda que pneus runflat também não podem rodar em parceria com modelos comuns”, alerta. Isso realmente é uma bela dica.
“Cada pneu tem suas próprias características e entrega níveis de performance distintos em conforto, frenagem e dirigibilidade no seco e no molhado”, diz. Uma dica muito importante é: “Não se pode misturar pneus novos e usados em um mesmo eixo”.
Como escolher um pneu para reposição?
O perfil do motorista, do veículo e a aplicação que o pneu terá – aonde vai rodar (terra, asfalto, molhado, seco) ajuda muito a definir isso. A qualidade do piso, rua, estrada também. Há localidades no Brasil em que o asfalto é muitíssimo abrasivo e o desgaste do pneu muito acentuado. Nessas condições, um pneu que deveria durar 60 mil km não chega a 40 mil km e, ai você fica bravo, acha que é defeito de fábrica…… é o asfalto ruim que a prefeitura da sua cidade não arruma – porque o IPVA que ela recolheu, exatamente, para esse fim foi direcionado para comprar peteca, por exemplo – ou outras coisas do gênero, menos asfalto.
Há situações em que o pneu que veio de fábrica não tem o mesmo efeito sobre a suspensão que um pneu importado equivalente resulta quando você o coloca em seu carro.
Há situações em que o dono do veículo não está nem um pouco preocupado e nem sabe a marca do pneu do carro. O que ele quer é preço e ai vai no supermercado e compra qualquer coisa e qualquer coisa ele compra.
O consumidor deve ter em mente que desde de 29 de outubro de 2016 o mercado brasileiro de pneus passou a vender produtos baseados no sistema de etiquetagem como métricas de qualidade e segurança.
Todo pneu de passeio, SUV, picape, caminhão e ônibus vendido no mercado de reposição tem que apresentar uma etiqueta de performance. Essa etiqueta exibe notas de desempenho em três quesitos: resistência ao rolamento, aderência em pista molhada e poluição sonora.
O desempenho de cada pneu é medido por empresas e institutos especializados e fiscalizados pelo INMETRO. E esse desempenho é medido em letras que vão de A a G, sendo que um pneu com identificação A é melhor (e, em geral, mais caro) que um G. Mas tenha certeza absoluta que em termos de pneus, o barato sai caro e o caro sai barato.
Testes feitos na Europa, que usa o mesmo padrão de etiquetagem do Brasil, mostram que um pneu A comparado a um pneu G pode economizar 7,5% em combustível, frear o veículo em até 20 metros menos e produzir menos poluição sonora. Ou seja, ajuda no seu bolsa, na sua segurança e na dos outros e beneficia a natureza.
Em geral, o pneu que equipa o seu carro zero levou essas questões em consideração e, por isso, manter a marca do pneu original é uma boa recomendação. Porém, cada motorista tem um estilo de dirigir, cada carro tem uma aplicação – viagem, andar na terra, andar em asfalto bom, ruim, mais ou menos abrasivo, regiões onde se chove mais, ou menos – mas olhar a etiqueta do pneu que vai comprar e comparar com outras etiquetas, de outros pneus, também é um exercício saudável e recomendável.
“É fundamental respeitar a medida e os índices de carga e velocidade demandadas pelo veículo, optando por pneus com índices iguais ou superiores aos originais. A legislação brasileira não permite alteração do diâmetro total do pneu e, por isso, é preciso atentar a esse detalhe no momento da troca”, diz Astolfi. Concordamos.
Trocar apenas dois ou quatro pneus?
Trocar os quatro de uma vez é o recomendável, diz Rafael, mas às vezes, problemas na geometria da suspensão do veículo, uso de medidas diferentes em cada eixo, falta de manutenção e estilo de direção ocasionam o desgaste mais acentuado de um ou outro pneu.
“Ao optar por trocar apenas dois pneus, eles sempre devem ser montados no eixo traseiro, responsável pela estabilidade”, diz Rafael. “Pneus gastos na traseira oferecem menor tração e resistência à aquaplanagem e isso pode resultar em perda de aderência em pista molhada, fazendo o veículo sambar de um lado para o outro sem controle”, diz.
“Por preferências pessoais de desempenho e dirigibilidade, no momento da substituição muitos consumidores optam por pneus de outra marca ou modelo”, aponta o gerente da Continental.
“Nesse caso, é essencial que ele leve em consideração as demandas e o tipo de aplicação, respeitando a regra de colocação de pneus iguais no mesmo eixo do automóvel. E não apenas de modelos iguais, mas com as mesmas condições de desgaste. Não se pode misturar pneus novos e usados em um mesmo eixo”, reforça Astolfi.

27 abril, 2016

RISCOS DE USAR PNEUS MAIS LARGOS QUE O RECOMENDADO PELO FABRICANTE


Conheça os riscos de usar pneus mais largos do que o recomendável

Especialistas recomendam que se consulte o manual do veículo, que possui as características técnicas ideais para o uso do pneu
Especialistas recomendam que se consulte o manual do veículo, que possui as características técnicas ideais para o uso do pneu Foto: WARREN GOLDSWAIN / Daxiao Productions - Fotolia


Você já deve ter ouvido alguém falar que quanto maior a largura do pneu maior é a estabilidade do veículo. Mas será que isso é verdade? O gerente de e-commerce e inteligência de mercado de uma grande empresa de pneus em São Paulo, Carlos Eduardo Molina, explica que a estabilidade do veículo não depende apenas da largura do pneu, mas também de uma série de outros fatores como altura do pneu e condições do jogo de mola, amortecedores e freio:
“Um pneu mais largo vai dar mais aderência. Estabilidade e aderência não necessariamente andam juntas. Haverá mais área de contato com o solo, logo o pneu terá mais aderência”.

Um pneu mais largo vai dar mais aderência
Um pneu mais largo vai dar mais aderência Foto: Industrieblick - Fotolia

Em relação à estabilidade com o uso de pneus mais largos do que o recomendável para o automóvel, o engenheiro mecânico Arthur de Linhares explica o risco:
“Fazer uma curva na estrada, por exemplo, com pneus mais largos pode causar a perda de controle da direção, uma vez que o excesso de aderência no solo pode não ser compatível com a suspensão do veículo. O carro pode até tombar”.
Por essas e outras é que os especialistas recomendam que, antes de sair trocando os pneus do carro por outros com uma largura maior, é preciso ter algumas precauções, como respeitar o limite de diâmetro para que o pneu não raspe na lataria ou no amortecedor. De qualquer forma, o conselho é utilizar sempre a medida de largura do pneu original.
Os especialistas recomendam, ainda, que se consulte o manual do veículo, que possui as características técnicas ideais para o uso do pneu. Algumas montadoras sugerem até dois tamanhos de pneus diferentes.

Quanto mais largo o pneu, mais pesado ele será
Quanto mais largo o pneu, mais pesado ele será Foto: WavebreakMediaMicro - Fotolia

Outro destaque também é que, quanto mais largo, mais pesado é o pneu. Por isso, leve em consideração isso pode ter um consumo maior de combustível em carros com motores menos potentes, uma vez que se exigirá mais da máquina.                                                                                                                                          
Vale um alerta: Você pode ter o pagamento do seguro de um acidente negado, por exemplo, se tiver com os  pneus fora da medida recomendada de fábrica.

Continental lança pneus para comerciais leves

VanContact e ContiVanContact prometem mais quilometragem e alta resistência

REDAÇÃO AB
Continental lança no Brasil os pneus VanContact AP e ContiVanContact 100, ambos voltados a comerciais leves utilizados em entregas, transporte escolar e de turismo. Os novos modelos à venda estão disponíveis para aros de 14, 15 e 16 polegadas, têm ao todo 13 medidas e utilizam tecnologias que aumentam a capacidade de carga, a resistência a impactos, a quilometragem e reduzem o ruído de rodagem, as distâncias de parada e o consumo de combustível.

Segundo a Continental, o segmento de pneus para vans cresceu 35% entre 2005 e 2015. No momento os novos modelos estão disponíveis só para o mercado de reposição, mas a Continental pretende fornecer direto às montadoras. O VanContact AP é produzido em Camaçari (BA) e o ContiVanContact 100, importado. 

Os pneus têm cobertura total durante três meses ou 5 mil quilômetros contra danos como rachaduras, deslocamentos de componentes ou rompimento de carcaça do pneu por impactos, problemas decorrentes da utilização sem pressão por causa de furos ou cortes da carcaça, ondulações ou bolhas nas laterais originadas por impacto e avarias que não permitam conserto ou utilização com segurança. 

A banda de rodagem reforçada do VanContact AP oferece proteção adicional contra cortes, combinando maior durabilidade com grande capacidade de carga. O ContiVanContact 100 privilegia durabilidade, resistência, economia e segurança. Sua banda de rodagem mais plana aumenta a área de contato com o solo, gerando maior quilometragem e estabilidade. O reforço interno nas laterais permite maior proteção contra impactos e amplia a capacidade de carga.

BOLHA LATERAL NO PNEU. POR QUE , O QUE FAZER

Explicaremos a seguir o que é, como se formam e o que fazer ao notar uma bolha no pneu do carro.


O que são e como se formam as bolhas no pneu?

Modelo de estrutura interna do pneu
Modelo de estrutura interna do pneu
Bolhas são protuberâncias que se formam na borracha do pneu devido a um forte impacto sofrido. Geralmente elas aparecem quando você passa em um buraco de forma brusca ou quando o pneu sofre algum tipo de choque (uma pancada na guia, por exemplo).

No momento do impacto, a malha metálica que compõe a estrutura interna do pneu se rompe, fazendo com a pressão interna empurre a borracha para fora, formando a bolha. Vale salientar que a partir desse momento, a borracha é a única responsável por segurar a pressão interna do pneu, o que é muito perigoso.

Um pneu com bolhas perde resistência e torna-se instável, correndo o risco de explodir. É claro que nem sempre isso irá acontecer, mas arriscar-se e sair por aí rodando com um pneu nesse estado não é recomendado.

O que fazer quando há um bolha no pneu?

Pneu com bolha
Pneu com bolha
Alguns borracheiros oferecem como opção a vulcanização (a borracha é derretida e o pneuremoldado, eliminando a bolha), mas esse processo só mascara o problema. Assim que você notar que o pneu está com bolhas, troque-o por um novo. Essa é a melhor alternativa e certamente a mais segura.

SE NAO PUDER TROCAR DE IMEDIATO O PNEU POR UM NOVO. TRAFEGAR COM ELE SEMPRE NA DIANTEIRA. EM CASO DE ESTOURO OU PERDA DE PRECAO FICA MAIS FACIL DE CONTROLAR O VEICULO.                                                                                                                                                                                                                           ESTE TIPO DE OCORRENCIA NÃO DÁ DIREITO A GARANTIA DO PNEU


Como evitar o surgimento de bolhas no pneu

Há algumas maneiras de evitar a formação de bolhas nos pneus do carro. Uma delas é tomar muito cuidado ao passar por quebra-molas, buracos ou até mesmo no meio-fio. Sempre reduza a velocidade ao avisar um desses obstáculos e, ao estacionar, não deixe que o pneu raspe na guia.     

15 dezembro, 2015

CONTINENTAL TESTA PNEU FEITO COM BORRACHA EXTRAIDA DA PLANTA DENTE DE LEÃO

O pneu Winter Contact, um projeto de pesquisa para a industrialização da borracha obtida a partir da planta Dente de Leão, será testado nas pistas do Contidrom, em Hanover, e de Arvidsjaur, na Suécia.
Os primeiros pneus foram apresentados pela empresa Continental no final de 2014 para teste de uma série limitada. O objetivo com a fabricação do primeiro Winter Contact TS 850 P, totalmente feito de borracha natural da raiz do Dente de Leão, é a produção de pneus mais sustentáveis.
“Após diversos anos de intensivo trabalho de desenvolvimento em conjunto com o Fraunhofer Institute, estamos animados em colocar os primeiros pneus Dente de Leão na pista”, afirmou o membro do Conselho Executivo da Continental, responsável pela Divisão de Pneus, Nikolai Setzer.
“Para obtermos os mais importantes resultados do material produzido por nosso projeto de pesquisa até hoje, decidimos construir pneus de inverno para carros, uma vez que eles empregam uma proporção particularmente alta de borracha natural”, explica Nikolai.
Segundo o responsável pela Divisão de Pneus, a empresa continuará tentando desenvolver pneus com borracha de Dente de Leão para seja possível a produção em série entre os próximos cinco a dez anos. 
BORRACHA DENTE DE LEAO CONTINENTAL PNEUS

04 dezembro, 2015

TABELA ÍNDICE DE CARGA E VELOCIDADE

Indíce de carga

O índice de carga é um código numérico que corresponde à carga máxima que um pneu pode suportar.
A carga do pneu multiplicada por 2 deve cobrir a carga total do eixo do seu veículo.
Para conhecer o seu índice de carga, basta tomar nota do mesmo no flanco de um dos pneus e de o comparar com a tabela dos índice de peso.
Índice de cargaPeso
em Kg
2080
2285
2485
2690
28100
30106
31109
33115
35121
37128
40136
41145
42150
44160
46170
47175
48180
50190
51195
52200
53206
54212
Índice de cargaPeso
em Kg
55218
58236
59243
60250
61257
62265
63272
64280
65290
66300
67307
68315
69325
70335
71345
72355
73365
74375
75387
76400
77412
78425
Índice de cargaPeso
em Kg
79437
80450
81462
82475
83487
84500
85515
86530
87545
88560
89580
90600
91615
92630
93650
94670
95690
96710
97730
98750
99775
100800
Índice de cargaPeso
em Kg
101825
102850
103875
104900
105925
106950
107975
1081000
1091030
1101060
1111090
1121120
1131150
1141180
1151215
1161250
1171285
1181320
1191360
1201400

Indício de velocidade

O índice de velocidade é um código alfabético que corresponde à velocidade máxima à qual deve rolar um pneu.
Para conhecer o seu índice de velocidade, basta tomar nota do mesmo no flanco de um dos pneus e de o comparar com a tabela dos índice de velocidade.


Índice de velocidadeVelocidade em kms/h
A15
A210
A315
A420
A525
A630
A735
A840
B50
C60
Índice de velocidadeVelocidade em kms/h
D65
E70
F80
G90
J100
K110
L120
M130
N140
P150
Índice de velocidadeVelocidade em kms/h
Q160
R170
S180
T190
U200
H210
V240
ZR>240
W270
Y300

Atenção

  • É proibido  montar um índice de velocidade inferior ao índice dos pneus montados de origem no veículo, ou inferior àquele preconizado pelo construtor. Em contrapartida, é possível montar um índice de velocidade superior.
  • No Inverno, é possível montar um índice de velocidade inferior (de uma letra) ao dos pneus de Verão. Por exemplo, se o veículo estiver montado com índice W em pneus Verão, poderá ser montado um índice V em pneus Inverno, mas não com índice H .( PARA PAISES COM PERÍODOS DE NEVE)
  • Os fabricantes aplicam estes índices de velocidade para pneus em bom estado.
    Estes índices deixam de ser aplicados se os pneus estiveram danificados (hérnia ou corte),pouco cheios, sobrecarregados pelo peso ou recauchutados.
    Os índice de velocidade foram definidos para as auto-estradas sem limitação de velocidade na Alemanha ou para os circuitos de velocidade fechados.Segundo os diferentes índices de velocidade, os pneus aquecem menos, deformam-se menos e são mais performantes a velocidade mais elevada. Atenção, mesmo se os pneus que montou possuem uma capacidades acima dos limites de velocidade, nenhum fabricante recomenda a utilização de pneus a uma velocidade não autorizada.
    Tome nota que para os pneus com um índice de velocidade (Z), o índice está incluído na descrição do pneu, o que explica a designação em 'ZR'.